Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > Viajantes oferecem mão de obra em troca de descontos e experiências
Início do conteúdo da página

Viajantes oferecem mão de obra em troca de descontos e experiências

Empresas publicam na internet as suas demandas e turistas oferecem o que possuem. E não é que nesse jogo todo mundo sai ganhando?
  • Publicado: Quarta, 17 de Junho de 2015, 14h21
  • Última atualização em Quarta, 17 de Junho de 2015, 14h20

Por Gustavo Henrique Braga

Imagine viajar sem pagar pela estadia ou pela alimentação. E em troca, cozinhar, capinar, pintar paredes ou até cuidar da rede social de um hotel. A essa troca se deu o nome de turismo colaborativo, uma prática comum nos Estados Unidos e em países da Europa - e que agora dá seus primeiros passos no Brasil. O modelo consiste em trocar o custo da viagem pela prestação de algum tipo de serviço oferecido pelo viajante, para o qual haja demanda. Sites especializados publicam as demandas de empresas e os turistas se candidatam para o trabalho. As empresas oferecem algum tipo de benefício ao viajante, como alimentação, hospedagem e passeios. A rotina de trabalho segue critérios e, geralmente, não há remuneração.

Em um dos anúncios publicados na rede, um hotel busca um hóspede-artista. “Temos um monte de paredes brancas, um piano e um pequeno sistema de som. Venha se inspirar e ser criativo”. Em troca, o cliente ganha hospedagem, alimentação e lavanderia. São quatro horas diárias de trabalho e dois dias de folga. A troca de experiências beneficia os viajantes, já que reduz o custo da viagem e oferece uma nova experiência. Beneficia também os empresários, que conseguem resolver pequenas demandas sem ter de contratar um profissional.

O chef Leonardo Bosso, de 28 anos, deixou a casa onde mora, em São Caetano (SP), para passar três meses em um hostel de Florianópolis. Não gastou com alimentação, nem hospedagem. Leonardo trabalhou na cozinha do local e, em troca, ficou isento das diárias. “Foi bom para mim, que pela primeira vez tive a chance de comandar uma cozinha, e bom para o hostel, porque conseguiram um reforço durante o período de alta temporada”, disse o chef. Leonardo ainda aprendeu espanhol com hóspedes estrangeiros e testou novos pratos.

Ricardo Lima, sócio-fundador de uma plataforma on-line que funciona como intermediária entre empresas e turistas, afirma que os brasileiros são o público que mais cresce entre os 96 países que a empresa atua e, atualmente, somam cerca de 30 mil cadastros no site. Essa é uma das razões pelas quais Lima e os demais sócios escolheram manter a sede da empresa no país. “A própria cultura nacional favorece o turismo colaborativo. Os brasileiros são reconhecidos no mundo todo como um povo hospitaleiro e receptivo - e essa é a essência desse tipo de negócio”, diz o empresário.

De acordo com dados do Ministério do Turismo, a maioria dos turistas estrangeiros que visitaram o Brasil no ano passado (97,4%) aprovou a recepção que teve no país. Assim como a empresa de Ricardo, há diversas opções de sites que intermediam o contato entre viajantes e empregadores tanto no Brasil quanto no exterior.

logo agência de notícias

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página