Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
Institucional

Concessão de parques deve movimentar o turismo

Audiência pública na Câmara dos Deputados discute o potencial das unidades de conservação para aumentar o fluxo de visitantes nos destinos brasileiros

  • Publicado: Quinta, 01 de Dezembro de 2016, 13h28
  • Última atualização em Quinta, 01 de Dezembro de 2016, 13h30

Da redação

Chapada Diamantina. Foto: João Ramalho
Chapada Diamantina. Foto: João Ramalho


O Brasil é considerado o número 1 em atrativos naturais do mundo pelo relatório de competitividade do turismo do Fórum Econômico Mundial (FEM). No entanto, os parques nacionais recebem pouco mais de 7 milhões de visitantes, enquanto os Estados Unidos, 3º no ranking do FEM, recebe mais de 300 milhões de visitantes. A abertura das unidades de conservação para a iniciativa privada foi apontada em Audiência Pública da Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados como uma solução para melhor aproveitar os parques e movimentar o turismo nacional.

Durante o debate, o diretor de Criação de Manejo das Unidades de Conservação do Instituto Chico Mendes (ICMbio), Paulo Henrique Carneiro, anunciou que em janeiro serão abertas licitações para a concessão de três parques: o de Brasília, o da Chapada dos Veadeiros (GO) e o Pau Brasil (BA). Atualmente, dos 7,1 milhões visitantes dos parques nacionais, 4,58 milhões (64,5%) concentram-se nos parques nacionais de Iguaçu e da Tijuca, duas unidades de conservação geridas pela iniciativa privada.

Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Foto: Beto Garavello
Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Foto: Beto Garavello


“Abrir os parques nacionais para as parcerias com o setor privado significa enriquecer o produto turístico brasileiro e trazer novos modelos de gestão, conjugando preservação e uso econômico como áreas turísticas”, afirmou o coordenador-geral de Atração de Investimentos do Ministério do Turismo, Rodrigo Marques. De acordo com Marques, os parques nacionais geram R$ 56 milhões para a economia nacional, enquanto os EUA faturam U$$17 bilhões com as unidades de conservação sob responsabilidade do governo federal.

Para o presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, a abertura dos parques nacionais para a gestão privada ajudaria o Brasil a aproveitar melhor o seu principal diferencial comparativo. “A partir dessa iniciativa voltaremos a seguir um rumo que já deveríamos estar trilhando. O Brasil tem um enorme potencial”, afirmou Lummertz.

Chapada dos Guimarães. Foto: Ichiro Guerra
Chapada dos Guimarães. Foto: Ichiro Guerra


A audiência foi liderada pelo presidente da Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados e presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Turismo, Herculano Passos (PSD-SP), também defensor da abertura dos parques para a iniciativa privada.

registrado em:
Fim do conteúdo da página