Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Em 5 anos, rede de hospedagem de Florianópolis cresce 22,4%
Início do conteúdo da página
SETOR

Em 5 anos, rede de hospedagem de Florianópolis cresce 22,4%

Entre 2011 e 2016, número de estabelecimentos hoteleiros na capital catarinense obteve o maior crescimento entre as capitais da Região Sul. Oferta de leitos na cidade também cresceu: +7,7%

  • Publicado: Quarta, 19 de Julho de 2017, 15h31
  • Última atualização em Quarta, 26 de Julho de 2017, 11h22

 

 

Segundo censo de hotelaria divulgado nesta quarta-feira (19) pelo Ministério do Turismo, em cinco anos as três capitais do Sul do Brasil registraram, juntas, crescimento de 8,9% no número de estabelecimentos de hospedagem (2011-2016). A alta foi puxada por Florianópolis (SC), que aumentou em 22,4% a sua rede hoteleira, passando de 254 para 311 hotéis, pousadas, pensões, apart-hotéis, albergues e motéis. Em Porto Alegre, o destaque foi o acréscimo no número de quartos: 7,3% a mais.

O número total de leitos disponíveis nas três capitais sulistas teve leve alta de 2,7%. Em 2011, Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC) e Curitiba (PR) tinham, juntas, 77,1 mil leitos de hospedagem, e em 2016 a oferta ganhou 2,1 mil leitos a mais, totalizando 79,1 mil.

“Os dados indicam que houve um crescimento expressivo na oferta dos meios de hospedagem no Brasil com o ciclo de megaeventos. Além da abertura de novos hotéis, registramos a reforma e ampliação de estabelecimentos que já estavam em funcionamento”, destacou o ministro do Turismo, Marx Beltrão. “Esse é um legado que temos de trabalhar para movimentar a economia do país. Os hotéis e similares são tipos de estabelecimentos imprescindíveis para o desenvolvimento do turismo”, completou.

A Região Sul concentra 5,4 mil estabelecimentos de hospedagem, o que representa uma participação de 17,4% na oferta de hospedagem do Brasil. Ao todo são 181,1 mil quartos e 434,8 mil leitos disponíveis (equivalente ao número de moradores de Santos, SP). Em relação à população, a macrorregião tem a segunda maior rede de hospedagem: são 19 estabelecimentos, 615 unidades habitacionais (UHs = quartos) e 1,47 mil leitos para cada 100 mil habitantes, números que só perdem para a Região Centro-Oeste.

O Rio Grande do Sul possui 1.915 empreendimentos de hospedagem, 61,3 mil unidades habitacionais e capacidade para hospedar 143,2 mil pessoas simultaneamente. No caso de Santa Catarina, são 1.782 estabelecimentos, 56,5 mil quartos e 146,8 mil leitos. Já o Paraná oferece 144,6 mil leitos, disponíveis em 63,2 mil unidades habitacionais de 1.760 estabelecimentos.

Dos 3 estados da Região, o Paraná é o que apresenta maior número de quartos por estabelecimento, o que indica empreendimentos de maior porte: média de 36, acima da média nacional (32) e somente atrás de São Paulo (37). Em Santa Catarina, o perfil é outro: 50% dos estabelecimentos é de pequeno porte. Na média de leitos disponíveis, Paraná e Santa Catarina aparecem depois de SP (87) e RJ (83), com média de 82.

Brasil – O estudo, encomendado pelo Ministério do Turismo ao IBGE, mostra que o Brasil tem uma oferta de 31.299 meios de hospedagem, sem considerar o aluguel de imóveis por temporada ou casas de parentes e amigos. No total, o país está pronto para acomodar 2,4 milhões de pessoas simultaneamente nos quartos disponíveis. O levantamento revela que houve um crescimento de 71% na oferta de leitos nas capitais do Brasil de 2011 a 2016. De acordo com especialistas, o salto foi impulsionado pelo ciclo de megaeventos, com a Copa do Mundo e Olimpíada.

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página