Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Ministério do Turismo define orientações para investimentos estratégicos destinados à Copa de 2014
Início do conteúdo da página

Ministério do Turismo define orientações para investimentos estratégicos destinados à Copa de 2014

Projetos e ações deverão atender às demandas de qualificação técnica e de infraestrutura das cidades
  • Publicado: Sexta, 28 de Agosto de 2009, 13h16
  • Última atualização em Sexta, 28 de Agosto de 2009, 13h16

O Ministério do Turismo definiu quatro eixos estratégicos que orientarão os investimentos para a Copa do Mundo de 2014: Promoção e Imagem; Capacitação e Qualificação; Hotelaria e Infreaestrutura.

“A expectativa é contarmos com mais de US$ 2 bilhões em investimentos nas cidades-sedes e em outros destinos turísticos brasileiros”, disse o secretário executivo do Ministério do Turismo, Mário Moysés, em Salvador, para uma platéia composta por secretários e gestores de turismo das 12 cidades que sediarão os jogos.

O MTur já conta com uma linha de crédito de US$ 1 bilhão do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur) com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Uma nova linha de mesmo valor está sendo negociada junto à instituição para reforçar a preparação das cidades para a Copa.

A promoção do Brasil como sede da Copa do Mundo começa logo após a conclusão do campeonato na África do Sul, em 2010. É uma exigência da FIFA, já que as atenções devem estar voltadas para o país africano.

Para atender às demandas de qualificação e infraestrutura, o MTur já está implantando o projeto Olá, Turista! e o Plano de Qualificação Setorial (Planseq) para o Turismo. Essas ações ganharão reforço com a definição do PAC da Copa, que está sendo organizado pelo governo federal.

Em relação à hotelaria, o planejamento será centrado primeiramente na renovação do parque instalado. “O MTur não investe na construção de hotéis, mas pode ajudar junto a instituições financeiras para viabilizar financiamentos às empresas do setor”, afirma o secretário executivo, comentando reuniões feitas recentemente com o BNDES.

registrado em:
Fim do conteúdo da página