Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > “Terra de Todos os Santos”, Salvador completa 471 anos de uma rica história
Início do conteúdo da página
FELIZ ANIVERSÁRIO, SALVADOR

“Terra de Todos os Santos”, Salvador completa 471 anos de uma rica história

Capital baiana é cenário de atrativos que mantêm viva a memória da criação do Brasil, além de cativar variados perfis de turistas

  • Publicado: Domingo, 29 de Março de 2020, 09h55
  • Última atualização em Domingo, 29 de Março de 2020, 10h19

Por André Martins

Itapoã SSA.jpg

Praia de Itapoã é uma das mais belezas de Salvador. Crédito: Márcio Filho/MTur

Ela reúne belezas únicas, cantadas em verso e prosa mundo afora, e abriga atrativos que ajudam a recontar a história do Brasil, passando pela arquitetura, a cultura, a gastronomia e a religião. Salvador (BA), um dos principais destinos turísticos brasileiros, chega ao seu 471º aniversário neste domingo (29.03) e ostenta a exuberância típica de grandes ícones do mercado mundial de viagens.

O Pelourinho é um dos espaços que ajudam a explicar a fama. Reconhecido como Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 1985, o local, palco de frequentes rodas de capoeira, exibe casas e igrejas que preservam a arquitetura colonial portuguesa, além de bares e restaurantes. Também guarda a Fundação Casa de Jorge Amado, que preserva as memórias do ilustre escritor baiano.

O Elevador Lacerda, de onde se tem uma vista panorâmica, constitui outro cartão postal. A estrutura, a primeira do tipo no planeta, proporciona belas fotos. Perto dali, o Mercado Modelo faz a festa de visitantes, com o melhor do artesanato. Destaque ainda à Igreja Nosso Senhor do Bonfim, onde são distribuídas as fitinhas de mesmo nome, além dos cultos a Iemanjá, sob forte influência africana.

Uma visita imperdível a Salvador também inclui o Farol da Barra. Construído em 1839, trata-se de um dos principais pontos turísticos do município, especialmente no pôr do sol. As praias representam outra atração à parte, a exemplo da existente no próprio Farol e das de Ondina e Itapoã - esta última, aliás, tema de uma célebre canção de Vinícius de Moraes.

Outro atrativo peculiar de Salvador engloba as delícias da boa mesa. Bobó, moqueca, acarajé e vatapá são alguns dos principais pratos à base de frutos do mar, encontrados tanto em restaurantes sofisticados quanto nas barraquinhas espalhadas pela cidade. A gastronomia baiana reflete as influências portuguesa, africana e indígena, com muito dendê e pimenta.


gastronomia SSA.jpg

Gastronomia atrai turistas de todo o mundo para Salvador. Crédito: Márcio Filho/MTur

O Carnaval também torna Salvador um dos maiores centros da folia de Momo no Brasil. Não à toa, desde 2015, a terra dos trios elétricos é reconhecida pela Unesco como Cidade Criativa na música, a única do Brasil. Berço de grandes expoentes do axé music e da MPB, a capital integra a relação de localidades que inserem a cultura entre as estratégicas de desenvolvimento sustentável.

HOSPITALIDADE - A boa acolhida de visitantes pelos soteropolitanos - como são chamados os moradores de Salvador - também salta aos olhos. A  hospitalidade foi bem avaliada por 97,1% dos turistas estrangeiros, segundo dados de 2018 da Demanda Turística Internacional no Brasil, do Ministério do Turismo. Quem confirma a tese é o antropólogo Jaime Ramalho, que reside na capital desde os 16 anos. Natural de Medeiros Neto, no extremo Sul da Bahia, ele conta que a hospitalidade é um traço típico local.

“Os turistas são muito bem acolhidos pelos moradores aqui na cidade, as pessoas fazem questão disso. Salvador é uma cidade com uma energia muito boa, e a gente sempre tem a maior boa vontade de ter as pessoas aqui pra conhecer”, conta o acadêmico, que costuma levar amigos e parentes de outros estados e países aos principais pontos turísticos locais.

mercado modelo SSA.jpg

Mercado Modelo também é muito visitado na capital baiana. Crédito: Márcio Filho/MTur

HISTÓRIA - A região de Salvador foi descoberta em 1510, com o naufrágio de um navio francês. Por volta de 1536, o então rei de Portugal, D João III, dividiu terras brasileiras em capitanias hereditárias, e, em 1549, Tomé de Souza, primeiro governador-geral do pais, chegou ao local. Salvador atuou como sede da colônia até 1763, quando o império foi levado ao Rio de Janeiro.

Edição: Rafael Brais

registrado em:
Assunto(s): turismo , Salvador
Fim do conteúdo da página