Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Ministério do Turismo prepara diagnóstico de mobilidade turística no Brasil
Início do conteúdo da página
MOBILIDADE

Ministério do Turismo prepara diagnóstico de mobilidade turística no Brasil

Projeto será trabalhado em conjunto com especialistas e órgãos governamentais para tornar o turismo mais acessível ao cidadão

  • Publicado: Sexta, 09 de Agosto de 2019, 20h50
  • Última atualização em Sexta, 09 de Agosto de 2019, 21h02

Por Cecília Melo e Rafael Castro 

090819mobilidade.jpg

Representantes do MTur, SAC, Anac e especialistas em uma das rodadas de reuniões para traçar plano de mobilidade turística no Brasil. Crédito: Cecília Melo/MTur 

O Ministério do Turismo iniciou nesta semana uma série de debates e estudos para preparar um diagnóstico completo sobre a mobilidade no Brasil. A intenção é saber quais os gargalos e as necessidades de cada modal de transporte, seja ele fluvial, aéreo, ferroviário ou rodoviário, para traçar um planejamento de ações e desenvolver políticas públicas mais eficientes ao cidadão.

Com isso, o governo federal pretende melhorar a infraestrutura em transporte, qualificar o serviço oferecido e aumentar o fluxo turístico, contribuindo para fomentar a economia, gerar desenvolvimento e empregos.  O grupo será composto por representantes do MTur, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), da Secretaria de Aviação Civil (SAC), de universidades federais e especialistas do setor.

Para o secretário nacional de Integração Interinstitucional do MTur, Bob Santos, o resultado é focado nos ganhos que a iniciativa trará ao desenvolvimento não só do turismo, mas do país. “O trabalho em conjunto para a troca de dados e informações em prol de uma política pública de mobilidade turística eficaz no Brasil é uma iniciativa inovadora a nível federal. Queremos envolver todos os atores responsáveis no projeto para expandir e qualificar o acesso ao turismo em todas as regiões do país. Dar ao cidadão um transporte digno e que realmente funcione”, destaca.

Santos ainda complementa que o diagnóstico servirá para melhorar o mercado de transporte no Brasil. “Precisamos da concorrência para sermos eficientes”, complementa o secretário. À frente do projeto, a coordenadora de Políticas e Ações Integradas do Ministério do Turismo, Thais Moura, afirma que há um gargalo enorme no mapeamento da mobilidade turística brasileira.

“Os destinos, as conexões, as linhas interestaduais e os nichos de mercado são um campo ainda inócuo e não conhecido pelos agentes públicos. Saber usar este segmento trará ganhos sociais e econômicos extremamente positivos para a sociedade. O Ministério do Turismo precisa saber a realidade. Precisamos mapear para propor planos de desenvolvimento que realmente melhorem o acesso dos turistas, passageiros e cidadãos a qualquer tipo de transporte. É uma pauta de inclusão social”, conclui a coordenadora.

Especialista na área de transporte, engenharia e mobilidade há mais de 25 anos, o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ) Respício do Espírito Santo esteve em Brasília e participou das rodadas de debates e reuniões com todas as instâncias federais envolvidas no projeto, do qual ele também fará parte. Para o professor, a convergência de conhecimentos e experiências trazem uma visão mais estratégica que culmina na construção de cenários, perspectivas, mapeamentos de soluções e desenvolvimento de novos modelos benefícos para a implementação das políticas públcias de transporte no Brasil.

“O turismo é um multiplicador cultural, econômico e social que impacta diretamente e indiretamente no desenvolvimento do país. O trabalho em conjunto vai permitir um diagnóstico amplo de como o brasileiro se desloca para se chegar a uma forma mais segura, de menor custo e mais eficiente tanto para o empresário e, principalmente, para a sociedade. As políticas devem beneficiar a sociedade por intermédio da gestão realizada pelas várias esferas do poder público”, pontuou o especialista.

Fim do conteúdo da página