Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Lavagem do Bonfim movimenta o turismo no verão da Bahia
Início do conteúdo da página
DATA COMEMORATIVA

Lavagem do Bonfim movimenta o turismo no verão da Bahia

Celebração, que acontece há 246 anos, marca os ritos pelo Dia do Nosso Senhor do Bonfim e o aquecimento para o Carnaval de Salvador

  • Publicado: Quarta, 16 de Janeiro de 2019, 14h00
  • Última atualização em Quinta, 17 de Janeiro de 2019, 15h44

Por Geraldo Gurgel

16.01.2019 fitasrdobonfim marciofilho
Ao fim da lavagem das escadarias, turistas amarram no braço fitinha de lembrança do Senhor do Bonfim ou amarram-as nas grades de proteção da igreja, junto com seus pedidos ao santo. Crédito: Márcio Filho/MTur

O carnaval é somente em março, mas em meados de janeiro já se ouvem os toques dos tambores que aquecem o verão de Salvador. Um dos principais marcos desse “esquenta” é a tradicional lavagem das escadarias da Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, ritual que é a cara da cidade: mistura o sincretismo religioso ao caráter festivo que só a Bahia tem.

A Lavagem do Bonfim, que começa às 10h desta quinta-feira (17), é a segunda maior manifestação popular do estado, atrás apenas do próprio carnaval de Salvador. O cortejo de 8 km, puxado por baianas do candomblé vestidas em trajes típicos, começa na Igreja da Conceição da Praia e passa pelas ruas do Comércio e Cidade Baixa, seguido por grupos religiosos, artísticos, culturais, famílias e milhares de turistas. É comum, ainda, a participação do público que está embarcado em escunas e lanchas distribuídas pela Baía de Todos os Santos.

A caminhada termina na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, na Colina Sagrada, onde os vasos com água de cheiro – conduzidos por baianas vestidas de branco, usando turbantes, saias engomadas, braceletes e colares – são despejados sobre a escadaria. O branco é a cor de Oxalá, o Deus Yoruba sincretizado como o Senhor do Bonfim da Igreja Católica. Já o traje oficial do público, o 'kit lavagem', conta com camisa e boné brancos e garrafinha de água para hidratação. Após a visita, o turista costuma amarrar uma fitinha colorida no braço como lembrança ou deixá-la nas grades de proteção da igreja, junto com seus pedidos ao santo.

O feriado, que atualmente reúne uma multidão estimada em mais de um milhão de pessoas, só perde em movimentação e agito para o carnaval. O ato ecumênico é realizado ao som de cânticos afro-religiosos desde 1773, quando os escravos foram obrigados a lavar a igreja, pela primeira vez, preparando o local da festa. Posteriormente, os seguidores do candomblé adotaram a Lavagem do Bonfim como parte do ritual das Águas de Oxalá, mas por imposição da igreja, as portas eram fechadas e o ritual saiu de dentro do templo, ficando restrito ao adro e escadarias. Já a devoção ao Senhor do Bonfim vem desde 1754, anterior à construção da igreja, quando a imagem de Jesus Cristo crucificado chegou à Salvador, na época a capital do Brasil Colônia, trazida pelos portugueses.

SAGRADO E PROFANO - Após a lavagem, a festa popular continua com batucadas, comidas e bebidas típicas no Largo do Bonfim, entrando pela noite nas ruas e clubes de Salvador. Vários eventos públicos e privados comemoram a data com muita música e axé, como a tradicional Enxaguada do Bonfim, comandada por Carlinhos Brown.

A festa religiosa, iniciada no último dia 10, só termina no domingo (20), dia de Nosso Senhor do Bonfim. A data da comemoração é móvel e sempre ocorre na segunda quinta-feira após o dia dos Santos Reis, celebrado no último dia 6.

Edição: Vanessa Sampaio

Fim do conteúdo da página