Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Brasil aposta no ecoturismo para atrair suecos
Início do conteúdo da página
PROMOÇÃO INTERNACIONAL

Brasil aposta no ecoturismo para atrair suecos

Em reuniões com autoridades governamentais e operadores de viagem da Suécia, governo brasileiro promoveu destinos de natureza

  • Publicado: Sexta, 24 de Agosto de 2018, 10h16
  • Última atualização em Segunda, 19 de Novembro de 2018, 16h39

Por Darse Júnior

24.08.2018 sweedishinstitute1
Nesta sexta-feira (24), ministro reuniu-se com representantes do Sweedish Institute, Visit Sweeden, Ministério de Indústria e Inovação da Suécia e operadores de viagens no país. Foto: Roberto Castro/MTur

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, pediu o apoio do governo sueco para aumentar o fluxo de turistas entre os dois países e atrair investidores. O foco são os destinos de natureza, que estão em primeiro lugar na preferência dos viajantes dos países nórdicos.

“Somos o número um no mundo em atrativos naturais e precisamos aproveitar melhor esse nosso diferencial para atrair investimentos e gerar emprego”, comentou o ministro do Turismo do Brasil, Vinicius Lummertz. De acordo com o Relatório de Competitividade do Turismo Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), entre todos os 136 países analisados, o Brasil é o primeiro no quesito natureza.

O ministro do Turismo informou à ministra de Indústria e Inovação, Stina Billinger, a quem os assuntos referentes ao turismo da Suécia estão relacionados, que o Brasil, por meio do Ministério do Meio Ambiente e ICMBio, vai abrir concessões em alguns dos principais parques nacionais do país. “Seria bom contar com empresas suecas participando desse processo. Queremos que os principais atores mundiais nos ajudem a gerir de maneira sustentável esse importante patrimônio da humanidade”, comentou Lummertz.

Os parques nacionais do Pau Brasil, na Bahia, e Chapada dos Veadeiros, em Goiás, serão os próximos a terem serviços como de bilheteria e alimentação concedidos para a iniciativa privada. Atualmente, o Brasil recebe 10,7 milhões de visitantes nas unidades de conservação. Mais da metade desse total são registrados nos parques que já contam com algum tipo de concessão, como os de Foz do Iguaçu (PR), Fernando de Noronha (PE) e Tijuca (RJ). Os Estados Unidos, que estão em terceiro lugar em atrativos naturais no ranking de competitividade do WEF, recebem mais de 300 milhões de pessoas nos seus parques nacionais anualmente.

Pesquisa realizada pela revista sueca especializada em turismo Vagabond sobre o que os suecos buscam nas viagens revela que 16% deles querem “calma e tranquilidade para relaxar” e 10%, “se desligar”. O Brasil, que já chegou a ter 42 mil turistas suecos em 2014, registrou a entrada de 23 mil viajantes desse país no último ano, uma queda de 45,3% em três anos.

Atualmente, o gasto dos turistas dos países escandinavos é o quinto maior do mundo, com 42,8 bilhões de euros, atrás apenas da China (228,1 bi de euros), EUA (119,7 bi de euros), Alemanha (74,1 bi de euros) e Reino Unido (56,1 bi de euros). Para tentar reverter esse quadro, o chefe da Assessoria de Gestão Estratégica da Embratur, Rafael Felismino, apresentou destinos de natureza do Brasil para operadores de viagens da Suécia. Enquanto o turista internacional que visita o Brasil gasta, em média, US$ 55,78 por dia, o sueco deixa US$ 170 por dia nos destinos internacionais.

Além das reuniões com a ministra de Indústria e Inovação, Stina Billinger, e com operadores de viagens, a delegação brasileira na Suécia encontrou-se também com o chefe do Departamento de Diálogo Intercultural do Sweedish, Henrik Selin, e com a presidente da Visit Sweeden, Ewa Lagerqvist. Na pauta, o modelo de gestão dos órgãos especializados em promover os destinos suecos para o mundo.

Para o ministro do Turismo brasileiro, há um enorme potencial a ser trabalhado para aumentar o fluxo turístico de turistas suecos no Brasil. “Enquanto recebemos pouco mais de 20 mil turistas suecos por ano, a Tailândia, que está a mais ou menos a mesma distância, recebe mais de 200 mil”, comparou. Ele destacou que já há uma relação comercial intensa entre os dois países, o que favorece a atração de viajantes. Cinco das maiores empresas do país escandinavo estão no Brasil: Volvo, Scania, Ericsson, Electrolux e Saaby.

Edição: Vanessa Sampaio

 

Fim do conteúdo da página