Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Ministro e embaixador discutem voo entre Cuzco e Manaus
Início do conteúdo da página

Ministro e embaixador discutem voo entre Cuzco e Manaus

Ligação, que inclui Rio Branco, permitiria integrar Macchu Picchu à Amazônia brasileira
  • Publicado: Quinta, 28 de Janeiro de 2010, 15h35
  • Última atualização em Quinta, 28 de Janeiro de 2010, 16h31

O ministro do Turismo, Luiz Barretto, e o embaixador do Peru no Brasil, Hugo de Zela, reuniram-se hoje à tarde em Brasília para discutir a ligação aérea entre Manaus e Rio Branco e a cidade peruana de Cuzco. “Um voo entre essas cidades permitiria a oferta de roteiros integrados entre Macchu Picchu, a principal atração turística do Peru, e a Amazônia brasileira”, disse o ministro Barretto.

Hoje, para fazer esse percurso, que dura cerca de três horas, o turista tem de passar por São Paulo e por Lima, a capital peruana, numa viagem que pode durar um dia, considerando-se o tempo das conexões. O trecho de voo mais curto, entre Rio Branco e Cuzco, dura apenas 40 minutos. De acordo com o embaixador de Zela, já há pelo menos uma empresa peruana interessada em operar as linhas, a Star Peru.

O ministro Barretto deve se reunir nos próximos dias com representantes do ministério da Defesa, de companhias aéreas brasileiras e dos governos do Acre e do Amazonas para apresentar o projeto. O voo seria complementar à rodovia que ligará Rio Branco ao Oceano Pacífico, cuja inauguração está prevista para outubro. Para entrar no Peru, os brasileiros precisam apresentar apenas o documento de identidade original. Não há necessidade de visto nem passaporte. O mesmo vale para peruanos que vêm ao Brasil.

Resgate de turistas

Antes da proposta do novo vôo, Barretto e Zela conversaram sobre o resgate aos turistas ilhados na cidade de Águas Calientes e Macchu Picchu. Segundo o embaixador, os brasileiros que ainda não foram resgatados não correm riscos. Os helicópteros que retiram os visitantes da região isolada voltam para o local levando água, mantimentos e remédios. As chuvas, segundo de Zela, são comuns na região nesta época do ano. Por isso, as trilhas para Macchu Picchu são fechadas anualmente no mês de fevereiro.
 

registrado em:
Fim do conteúdo da página