Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > No Dia Nacional do Turismo, ministro fala sobre desafios do setor
Início do conteúdo da página
institucional

No Dia Nacional do Turismo, ministro fala sobre desafios do setor

Entre as pautas prioritárias de Vinicius Lummertz, a aprovação do PL 2724 e a parceria com Sebrae e BNDES para estruturação de destinos

  • Publicado: Terça, 08 de Maio de 2018, 10h59
  • Última atualização em Terça, 08 de Maio de 2018, 10h59

08 05 18 Perfil Lummertz RC interna
Crédito: Roberto Castro/ Mtur

O Brasil, assim como outras nações, enfrenta hoje o desafio de buscar opções de desenvolvimento e fortalecimento de sua economia de forma sustentável. O crescimento do turismo acima da média da economia global – em 2017 foi de 7% com contribuição de US$ 8,3 trilhões para o PIB mundial – é um indicativo de que o setor tem as condições necessárias para liderar este processo. Recém-empossado no Ministério do Turismo, depois de presidir a Embratur, o ministro Vinicius Lummertz aproveita as comemorações do Dia Nacional do Turismo para falar à Agencia de Notícias do Turismo das oportunidades e desafios do setor.

ANT - Ministro, o país tem o que comemorar neste 8 de março, Dia Nacional do Turismo?

VL - O turismo vem ganhando cada vez mais importância no Brasil, com R$ 520,5 bilhões em contribuição para a economia, sete milhões de empregos gerados e 206 milhões de viagens domésticas, apesar de estarmos aquém do nosso potencial. Somos o 1º em recursos naturais e 8º em atrativos culturais no mundo, segundo dados do Fórum Econômico Mundial, mais ainda não estamos explorando a todo vapor esses diferenciais competitivos. Temos que comemorar sim os avanços e a possibilidade de crescermos ainda mais com a série de reformas que propomos para gerarmos mais negócios, empregos e renda por meio turismo.

ANT – O sr. pode detalhar um pouco mais essas medidas e de que forma elas contribuirão para a geração de empregos?

VL – No ano passado, com o plano Brasil + Turismo, pacote de medidas construído através de uma parceria entre o Ministério do Turismo, Embratur e empresários do setor, demos um salto importante na busca de soluções para destravar o setor, política que já tem alguns resultados. Conseguimos implantar o visto eletrônico, por enquanto para 4 países: Japão, Estados Unidos, Canadá e Austrália e já alcançamos índices de até 96,7% na emissão de E-visa em alguns casos. Nossa intenção é expandir o benefício para outros países, como Índia e China.

Tivemos outras conquistas, como a regulamentação dos voos charters, que possibilitarão a entrada de 10 milhões de brasileiros no mercado de viagens; aprovamos no Senado o Céus Abertos, que vai tirar o limite de voos entre EUA e Brasil, atraindo ainda mais turistas para nosso país; e a isenção temporária de impostos para a importação de equipamentos de parques temáticos – pleito que agora trabalho para aprovar de forma permanente dentro do grupo de ministros do Turismo do Mercosul.

Avançamos também com o envio para o Congresso Nacional das propostas de ampliar a participação do capital internacional nas aéreas brasileiras, transformar a Embratur em agência para reforçar a promoção do Brasil no exterior; e modernizar a Lei Geral do Turismo. Tudo isso vai contribuir para aumentar a presença do turista internacional do Brasil, estimular o turismo doméstico e, consequentemente, gerar empregos em nossos destinos.

ANT - Em qualquer setor da economia não dá para falar em desenvolvimento sem injeção de recursos. Qual é a saída do MTur para fomentar investimentos no turismo em um momento de dificuldades econômicas como o atual?

VL – A palavra-chave é parceria, pois nosso orçamento é bastante restrito. No momento, por exemplo, estamos trabalhando junto com o Sebrae, com sua expertise em formulação de projetos, e o BNDES na implantação do Prodetur + Turismo, um programa de financiamento para projetos de turismo de estados, municípios e para a iniciativa privada. Temos cerca de R$ 5 bilhões em recursos para aportar em projetos prioritários do setor, para estruturar as áreas de interesse turístico – desde a infraestrutura básica, até a construção e reforma de empreendimentos. Contamos também com o Fundo Geral do Turismo (Fungetur) que foi reformulado para atender as necessidades de crédito de micro e pequenas empresas, que são a grande maioria no setor.

ANT – O Plano Nacional de Turismo 2018-2022 tem metas ambiciosas de ampliar para 2022 de quase dobrar o fluxo de turistas estrangeiros, hoje de 6,6 milhões, ampliar a receita cambial para US$ 19 bilhões e inserir o turismo na cesta de consumo de 40 milhões de brasileiros. Como chegar lá?

VL – A ampliação da conectividade área está intimamente ligada às três metas que você citou. E nessa seara vimos o Senado aprovar a política de céus abertos entre Brasil e Estados Unidos, o segundo maior emissor de turistas para o Brasil depois da Argentina, e também avanços na regulação dos voos charter. São medidas que impactam de rotas e opções para o turista. Se alcançarmos a almejada abertura de mercado para empresas internacionais, que seja maior que os atuais 20%, aí sim, teremos mais concorrência e, com certeza, passagens mais baratas de fato. Creio que os indícios de recuperação da economia brasileira aliado à execução deste conjunto de ações nas quais trabalhamos no ministério nos dão confiança no cumprimento das metas do PNT.

ANT – O trade turístico costuma reclamar sobre a dificuldade no ambiente de negócios do setor. Qual sua posição a respeito do tema?

VL - As metas do Brasil+Turismo são ousadas. Nossa meta é chegar a 12 milhões de turistas internacionais (hoje são 6,6 milhões), 100 milhões de turistas domésticos viajando dentro do país (hoje são 60 milhões) e gerar 2 milhões de novos empregos pelo setor, saindo de 7 milhões para 9 milhões até o ano de 2022.

Para alcançar esses números, nossa proposta é justamente melhorar o ambiente de negócios e reduzir a insegurança jurídica para que tenhamos mais investimentos e turistas em nosso país. Como disse anteriormente, não dá para o Brasil estar no topo do mundo no quesito recursos naturais, mas ocuparmos a 129ª colocação no quesito ambiente de negócios, de acordo com estudo do Fórum Econômico Mundial.

Nesse sentido, está em tramitação no Congresso Nacional o projeto de lei 2724 que, entre as ações, prevê a modernização da Lei Geral do Turismo. São 118 mudanças propostas para desburocratizar o setor e dar mais segurança para a iniciativa privada desenvolver a economia, gerando emprego e renda ao povo brasileiro.

ANT - O sr. tem defendido a necessidade de políticas voltadas para o aumento da visitação nos parques nacionais. Sabia que o dia escolhido para a comemoração do Dia Nacional do Turismo remete à data da assinatura da desapropriação de terras junto às Cataratas do Iguaçu para implantação do Parque Nacional do Iguaçu?

VL - Este parque é um exemplo de parceria público privada bem-sucedida, um modelo a ser seguido nas demais unidades de conservação do Brasil. O Brasil +Turismo deu atenção à questão semelhante em prol do turismo, com a portaria que permite ao MTur identificar e promover áreas da União consideradas de interesse para implantação de empreendimentos turísticos como marinas, hotéis e resorts. E agora, vamos dar continuidade a essa proposta no escopo do Prodetur + Turismo, que poderá ser a fonte de financiamento para viabilizar esses investimentos. Estou trabalhando para conseguirmos avançar nesse tema e conseguimos reduzir a burocracia que nos impede de crescer.

registrado em:
Fim do conteúdo da página