Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas notícias > Monitoramento de pontos turísticos
Início do conteúdo da página

Monitoramento de pontos turísticos

Destinos indutores ganham ferramenta eletrônica de gestão
  • Publicado: Quinta, 02 de Julho de 2009, 21h50
  • Última atualização em Sexta, 03 de Julho de 2009, 14h36

São Paulo (03/07) – Os grupos gestores dos 65 destinos indutores do desenvolvimento regional terão um sistema eletrônico de gestão. O anúncio foi feito pelo secretário Nacional de Políticas de Turismo do MTur, Airton Pereira, nesta sexta-feira (03/07), no Núcleo do Conhecimento, durante o 4° Salão do Turismo, em São Paulo (SP). “A ferramenta eletrônica permitirá ao ministro Luiz Barretto e aos grupos gestores acompanharem os planos de ação propostos por cada destino”, declarou.

Segundo a coordenadora geral de Regionalização, Ana Clévia Guerreiro, os grupos gestores serão capacitados para utilizar a ferramenta. “A ideia é estimular os grupos gestores a incluírem os avanços de suas ações no sistema e, a partir do diagnóstico da situação de cada destino indutor, realizado em 2007, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), acompanhem a evolução do destino”, explica Guerreiro.

Guerreiro ressaltou, ainda, que até 2010 a FGV realizará pesquisas anuais sobre a situação de cada destino indutor. “Quando se faz uma pesquisa é necessária uma base comparativa dos dados como forma de consolidar o estudo. Por isso, os técnicos da FGV estão voltando a campo para verificar a situação de cada destino e comparar os resultados, isso se repetirá em 2010”, afirma. E, acrescenta, “também já fechamos com o Instituto Marca Brasil o acompanhamento da gestão desses destinos”.

Relato de experiência – Aracati, no Litoral Leste do Ceará, está entre os 65 destinos indutores e é um exemplo de planejamento e organização.

A representante da Secretaria de Turismo, Cultura e Meio Ambiente de Aracati (CE), Iane Lima, membro do grupo gestor do destino, relatou a responsabilidade e o compromisso de estar entre os 65 destinos indutores. “Não adianta nosso destino ganhar sozinho, quando nosso vizinho está péssimo. Eu tenho certeza que os turistas olham ao redor”, afirma.

Outro membro do grupo, o representante da Associação dos Empreendedores de Canoa Quebrada, em Aracati, José Ruy Oliveira, relata que quando os técnicos da FGV chegaram no município, ele achou que era apenas mais uma entrevista. “Agora, posso dizer que esse é um projeto sério. A FGV forneceu os alicerces, agora cabe a nós não deixar a obra parada”, declara.

Oliveira conta que quando foi realizado o diagnóstico, eles tinham noção das deficiências do destino, mas não sabiam como resolver. “Os técnicos mostraram que a gente tinha que olhar para o futuro e não só olhar para os erros passados. Nós passamos a conversar com o governo, a iniciativa privada e a sociedade civil. O Sebrae entrou com os cursos, a FGV e o MTur nos forneceram um instrumento de planejamento”.

Para Lima, hoje o grupo, que conta com forte participação e apoio da sociedade civil, “já sabe o que quer e tem capacidade técnica para saber como está”.

Com um grupo gestor diversificado, integrado e com capacidade técnica, o destino já colhe os resultados. Entre os avanços estão a criação do Código Ambiental Municipal; a construção do aeroporto, que conta com investimentos de R$ 1,5 milhão do MTur; o Plano de Marketing do destino elaborado com apoio do Sebrae; a criação da rota turística temática: Rota das Falésias; entre outras conquistas.

O Ministério do Turismo (MTur) já investiu, de 2003 a 2008, R$ 1 bilhão em infraestrutura nos 65 destinos indutores. Desses, R$ 2,9 milhões foram para o município de Aracati.
 

registrado em:
Fim do conteúdo da página